Ponto de Cultura Feminista retoma suas ações de arte e cultura este mês

Após três anos com repasse descontinuado, repatuação com a Sedactel/RS dá novo fôlego aos Pontos de Cultura do RS 

Com o repasse da 3ª parcela do projeto descontinuado desde o início de 2016 – ano de gestão do governador José Ivo Sartori (PMDB) e do seu secretário de Cultura Victor Hugo e também da ascensão da extrema-direita ao poder através do Golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, o Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão se mantinha através do ativismo feminista e da captação de recursos junto a outras organizações. Assim como nós, todos os demais pontos de cultura do nosso Estado se viram sem recursos que lhes eram de direito cortados ao término da realização de alguma das três parcelas do projeto.

Porém, no dia 5 de setembro, após muita mobilização e pressão, a atual gestão da Secretaria da Cultura e do Governo do Estado do RS realizou o repasse dos recursos que irão garantir a realização de nossas ações culturais e artísticas ao longo dos próximos 12 meses. Antes, foi realizada uma adequação do plano de trabalho à conjuntura atual e repactuação.

Estamos felizes, não só por nós mas também pelos outros pontos de cultura de todas as regiões do nosso Estado. Nesses últimos anos estivemos unidos pela garantia dos direitos de toda população de fruir e produzir arte e cultura e pelo respeito às culturas não-hegemônicas, às comunidades em que estamos inseridas e inseridos e a quem trabalha para manter os Pontos vivos.

Além disso, conseguimos neste mês garantir a composição do Comitê-Gestor da Política Estadual Cultura Viva, fundamental na garantia do seu cumprimento por completo. Veja aqui as companheiras e companheiros que tomaram posse, representando a rede dos pontos de cultura.

Agradecemos a todas e todos os ponteiros, às artistas e ativistas que ao longo de todo esse tempo se mantiveram atuantes e confiantes na (r)existência do Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão e às integrantes do Coletivo Feminino Plural, que nunca deixaram de acreditar no potencial da cultura feminista enquanto força transformadora da nossa sociedade.

texto: Roberta Mello, integrante da Coordenação do Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão e do Coletivo Feminino Plural 

Entre Meninas e Mulheres – com Enid Backes

Enid Backes é uma socióloga, feminista, militante da causa ambiental e uma das fundadoras de importantes espaços de representação das mulheres. Nesta entrevista concedida em sua casa, em Nova Petrópolis (RS), Enid fala de sua vida, seu processo de engajamento nos movimentos sociais, a importância da participação política de mulheres, sobre feminismos e esperança.

Minidocumentário realizado pelo projeto Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão , coordenado pelo Coletivo Feminino Plural, organização não-governamental feminista de Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão:
Execução – Coletivo Feminino Plural
Comitê Gestor – Ilê Mulher, Cirandar, Inclusivass, Mirela Kruel, Andressa Cantergiani e Carolina Pommer, Inclusivass, Rede Feminista de Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos
Apoio – Rede RS dos Pontos de Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel), Governo do Estado RS, Ministério da Cultura, Governo Federal

Fanzine apresenta narrativas visuais do 1º Diálogo Feminista Intergeneracional e Intercultural pelo Aborto na América Latina e Caribe

Durante o mês de novembro estivemos presentes no @1er Diálogo Feminista Intergeneracional e Intercultural de Aborto en Latinoamerica y Caribe (LAC). Quem esteve lá nos representando foi nossa companheira Luisa Gabriela, uma das seis selecionadas para receber uma bolsa para participação no evento.
Ela fez um Fanzine ilustrado em que mostra quem foram as mulheres participantes, suas falas mais contundentes e as emoções geradas pela potência que é estarmos juntas. A publicação pode ser conferida no link a seguir: https://view.joomag.com/narrativas-dialogo-aborto-lac-rsmlac/0131703001546623224?short

Galeria – Sarau Alice, Mulheres e Resistência

A maré verde tomou conta do bar Divina Comédia e do Sarau Alice na última edição do encontro, em 21 de novembro. Em novembro, dentro da programação dos 21 Dias de Ativismo Pelo Fim do Racismo e Violência Contra as Mulheres, nos somamos à Agência Livre para Informação, Cidadania e Educação (ALICE) para realização de um evento dedicado à leitura de textos escritos por mulheres.
A intervenção poética feminista contou com apresentações de Lélia Almeida, Calina Barth, Fátima Farias, Michelle Buss, Télia Negrão, Cris Bruel, Luisa Gabriela, Clô Barcellos. Além dos textos autorais, foram disponibilizados livros do Acervo Feminista Enid Backes para intervenções no palco aberto.
Mudar o mundo mudando a nós mesmas e os espaços em que nos inserimos é cada vez mais necessário para enfrentar os retrocessos que tentam nos impor. Resistimos!

Sarau Alice, Mulheres e Resistência

Todos os meses, a Agência Livre para Informação, Cidadania e Educação (ALICE) realiza um sarau. Em novembro, dentro da programação dos 21 Dias de Ativismo Pelo Fim do Racismo e Violência Contra as Mulheres, nos somamos ao grupo para realizar uma intervenção artística com a leitura de textos do Acervo Feminista Enid Backes. O sarau ocorre no dia 21 de novembro às 20h no bar Divina Comédia (Rua da República, 649).

-> Nosso palco será aberto a todas as mulheres que quiserem participar!

Juntamente com o Bazar da Alice o Coletivo Feminino Plural e o Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão terão também banquinha com materiais do Coletivo, do Ponto e do Acervo, venda de camisetas e fichas de associação ao acervo.

A noite promete, ainda, com as performances de poetas convidadas e convidados e com o bazar de arte e artesanato com obras de cartunistas como Santiago, Moa, Edgar Vasques e Rafael Correa; dos artistas visuais Augusto Abreu, Ernani Chaves, Amaro Abreu; dos fotógrafos Otávio Teixeira, Marco Nedeff, Eneida Serrano e Luiz Abreu; das artesãs Mariza Rigo, Lúcia Achutti e Rosina Duarte; dos escritores Rafael Guimarãens, José Antônio Silva, Dois Santos dos Santos, bem como livros da Editora Libretos.s, além das apresentações dos músicos Cristiano Hanssen, Nivaldo José e o duo de violões “Batuque de Cordas”, integrado por Vinicius Correa e Cláudio Veiga.

Veja a programação completa no evento do Facebook: https://www.facebook.com/events/287895651839107/

Encontro sobre Comunicação Feminista com Joanna Burigo, do site Casa da Mãe Joanna

Estamos ocupando as pautas dos meios de comunicação tradicionais e alternativos. Conseguimos nos unir e tomar as redes através de campanhas, como #chegadefiufiu, #meuprimeiroassédio, #meuamigosecreto e muitas outras. Mas como podemos qualificar nossa comunicação para incluir mais e mais mulheres? Qual a importância de ter autonomia para comunicar? E a relevância de fortalecer portais que trazem notícias a partir do ponto de vista das mulheres? Como pensar uma Comunicação Feminista?

Para discutir tudo isso e mais um muito, o Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão convida a fundadora do site Casa da Mãe Joanna, Joanna Burigo para uma Roda de Conversa sobre Comunicação Feminista. O encontro acontece na segunda-feira (10 de setembro), das 14h às 17, na nossa sede – Rua General Andrade Neves, 159 / 84 – Centro de Porto Alegre.

Joanna Burigo é fundadora da Casa da Mãe Joanna, site que oferece educação e comunicação feminista sobre gênero. Atuou no mercado de publicidade e marketing no Brasil e no Reino Unido, onde também trabalhou como professora. Co-fundadora do Guerreiras Project e do Gender Hub, e coordenadora pedagógica da Emancipa Mulher.
Joanna vem se dedicando a projetos feministas desde que completou seu mestrado em Gênero Mídia e Cultura pela London School of Economics. Ela também é co-organizadora de dois livros, o Tem saída? Ensaios Críticos sobre o Brasil, e o Novas Contistas da Literatura Brasileira, lançados pela Editora Zouk, e escreve regularmente para Carta Capital.

O encontro tem vagas limitadas e as inscrições devem ser feitas através do email pontodeculturafeminista@gmail.com. Mande seu nome completo e coloque no assunto Comunicação Feminista.

A atividade é gratuita e aberta às meninas e mulheres em suas diversidades. O espaço é acessível.

Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão:
Execução – Coletivo Feminino Plural
Comitê Gestor – Ilê Mulher, Cirandar, Inclusivass, Mirela Kruel, Andressa Cantergiani e Carolina Pommer, Inclusivass, Rede Feminista de Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos
Apoio – Rede RS dos Pontos de Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel), Governo do Estado RS, Ministério da Cultura, Governo Federal

Oficina Denisenhando – Ilustração e Escrita Feministas com Denise Silva

O Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão convida para mais uma oficina voltada à formação e à expressão das jovens. Desta vez, a atividade será sobre Ilustração e Escrita Feminista e contará com a presença da Denise Silva, ilustradora de Santa Maria e desenvolvedora da página Denisenhando. O encontro ocorre na sede do ponto (Rua General Andrade Neves, 159/85), a partir das 14h, e será também uma oportunidade para, quem ainda não conhece, já se aproximar do coletivo.

As vagas são limitadas e as inscrições devem ser feitas através do email pontodeculturafeminista@gmail.com. Mande seu nome completo e coloque no assunto Oficina Denisenhando.

A oficina irá focar na criação de uma personagem, como as que Denise retrata em seus desenhos. Também serão incluídas nas artes, frases elaboradas durante a oficina, de pensadoras feministas ou aquelas que têm norteado nosso ativismo. Para isso, ofereceremos, além dos materiais necessários para os desenhos, o acesso à consulta de livros e outras publicações presentes no nosso Acervo Feminista Enid Backes e que podem servir de inspiração.

A atividade é gratuita e aberta às meninas e mulheres em suas diversidades. O espaço é acessível.

Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão convida para CineDebate sobre o filme “Chega de Fiu Fiu”

As cidades foram feitas para as mulheres? A pergunta é motor fundamental do longa-metragem “Chega de Fiu Fiu”, exibido pela primeira vez em Porto Alegre de forma gratuita no dia 7 de julho. A sessão ocorre às 14h30min, na sala Hermes Mancilha da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ) – Rua dos Andradas. 736, 4º andar, faz parte das ações do Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão, gerido pelo Coletivo Feminino Plural.

Após a exibição do filme, será feito uma roda de conversa sobre qual o lugar das mulheres nas cidades e relações de gênero. Haverá distribuição de 40 senhas (preferenciais às meninas e mulheres em suas diversidades) a partir das 14h.

Com direção de Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão, o documentário foi produzido em parceria com a Brodagem Filmes e integra campanha homônima (#chegadefiufiu) criada em 2014 pela organização Think Olga, trazendo ao centro do debate questões como o assédio e o direito das mulheres ao espaço público.

Sobre o filme:
“Chega de Fiu Fiu” narra a história de Raquel, Rosa e Teresa, moradoras de três cidades brasileiras, que, por meio de ativismo, arte e poesia resistem e propõem novas formas de (con)viver no espaço público. O filme explicita como a participação das mulheres no espaço urbano é marcada por insegurança.
“Entraves como a falta de iluminação, lugares ermos, a dificuldade de mobilidade, longas distâncias na locomoção de casa ao trabalho, ausência de creches e péssimo atendimento em serviços de saúde e segurança seguem como catracas visíveis e invisíveis do acesso das mulheres às cidades. Tais entraves revelam o quanto as cidades foram construídas sem a perspectiva de gênero e agravam ainda mais as violências sofridas pelas mulheres, como o assédio”, diz Amanda Kamanchek, diretora do documentário. “O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público. A pergunta que nos fizemos ao longo de todo o filme é ‘qual é o lugar das mulheres nas cidades?’”.

Execução
Coletivo Feminino Plural

Comitê Gestor
Ilê Mulher, Cirandar, Inclusivass, Mirela Kruel, Andressa Cantergiani e Carolina Pommer, Inclusivass, Rede Feminista de Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos

Apoio
Rede RS dos Pontos de Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel), Governo do Estado RS, Ministério da Cultura, Governo Federal