Arquivo mensal: agosto 2016

Empoderamento e direitos das meninas através da literatura

IMG_6088As meninas da Vila Nova Chocolatão mostraram que a literatura é capaz de inspirar discussões sobre o que é ser mulher e de transformar nosso corpo, nossa voz e nossos pensamentos em um território nosso – de liberdade e respeito. Durante os dias 9, 16 e 23 de agosto a Biblioteca Comunitária Chocolatão, da Ong Cirandar, nossa parceira, foi um espaço exclusivamente feminino durante a tarde para a realização da Oficina Literária Expressão das Minas, ministrada pela educadora e poetisa Ana dos Santos.

IMG_6142Durante o primeiro encontro, uma Roda de Conversa com o Coletivo Oluchi de Turbantes sobre corpos e empoderamento das mulheres negras tratou da importância de conhecermos aquelas que vieram antes de nós e valorizá-las, apresentou informações sobre a história e realidade das mulheres negras e do feminismo interseccional no Brasil e, é claro, ensinou as participantes a fazerem os turbantes.  Após, a educadora Ana dos Santos falou sobre as escritoras negras mais importantes do País e, juntas, todas leram Não Vou Mais Lavar os Pratos, de  Cristiane Sobral.

IMG_6005No segundo dia, foi o momento de conhecer algumas das principais escritoras negras do País e falar um pouco sobre estilos literários. Depois, foi feita uma chuva de ideias sobre as palavras Corpo, Mulher e Voz e as jovens escreveram as primeiras palavras que vinham à mente. O resultado não podia ser mais emocionante. São poemas cheios de força e reflexão, que você pode conferir nos vídeos. A despedida foi com a leitura de Mulata Exportação, da Elisa Lucinda

IMG_6102No terceiro encontro, todos os laços já estavam formados e tudo começou com a leitura de trechos das obras de Carolina Maria de Jesus. Cada frase rendeu comentários e discussões sobre o estigma da mulher negra de periferia, empobrecimento e marginalização, direitos humanos das meninas e espaço das mulheres na política brasileira.

O resultado de todos os compartilhamentos está no livro Expressão das Minas, confeccionado em conjunto e que conta com sete poemas escritos durante as aulas, a próprio punho pelas autoras – Kimberlly, Sheronlaine, Rafaele, Érica e Naná. O livro fará parte do Acervo Feminista Enid Backes e da Biblioteca Comunitária Chocolatão e estará à disposição de todas e todos em breve!

Anúncios

Coletivo Feminino Plural renova parceria com a Fundação Luterana de Diaconia

IMG_3775Tendo como objetivo valorizar a produção teórica, política e literária das mulheres e fomentar o empoderamento feminino, Coletivo Feminino Plural e a Fundação Luterana de Diaconia (FLD), iniciaram esta semana mais uma etapa de parceria com o projeto, denominado “Conhecimento é Poder”. Desta vez, a ideia é disponibilizar em plataforma digital, online, o Acervo Feminista Enid Backes, especializado nos temas de Gênero, Feminismo e Direitos Humanos e fomentar, entre estudantes universitários, a produção textual sobre o tema do empoderamento político das mulheres na perspectiva de direitos humanos das mulheres e da justiça de gênero através de um concurso de monografias. Para este projeto estão sendo convidados a participar os núcleos de estudos de gênero de várias universidades e redes de mulheres.

O Acervo Feminista Enid Backes funciona desde 2015 na sede da entidade Coletivo Feminino Plural, onde são promovidos encontros para estudos e pesquisas sobre relações de gênero e diversidade entre as mulheres. Seu nome homenageia a socióloga, uma das mais importantes lideranças femininas do estado, cuja atuação é e sempre esteve vinculada aos direitos humanos, direitos sexuais e reprodutivos e à sustentabilidade do planeta.

Sobre o tema do empoderamento, o Coletivo Feminino Plural implementa um programa de formação de mulheres para a liderança e protagonismo, como o projeto “Mulheres Cidadãs que Podem”, que já capacitou mais de 200 mulheres somente em 2016. As mulheres, apesar de serem a metade da população e do eleitorado, são 10% das ocupantes de cargos legislativos no Brasil. A reflexão sobre essa tema é o desafio proposto pelo concurso que será lançado em outubro pela Entidade.

Confira os primeiros poemas escritos durante a Oficina Literária Expressão das Minas

IMG_6005Sheronlaine e Kimberly são duas das participantes da Oficina Literária Expressão das Minas, realizada pela Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão em parceria com a Ong Cirandar na Biblioteca Comunitária  Chocolatão, e escreveram poemas sobre as discussões que vem sendo feitas durante os encontros. A invenção de um espaço para a criação literária das meninas já dá sinais da sua importância para todas nós. E a vontade de se expresar através da escrita, do corpo e da voz são provas disso.

Hoje, a educadora e escritora Ana dos Santos apresentou algumas das principais escritoras negras do País e falou um pouco sobre estilos literários. Depois, estimulou as jovem a fazerem uma chuva de ideias sobre as palavras Corpo, Mulher e Voz e começarem a escrever. O resultado não podia ser mais emocionante. São poemas cheios de força e reflexão. Confere os vídeos abaixo:

Oficina Literária Expressão das Minas começa esta terça-feira


12096447_436535009877654_4704682786678766751_nA fim de inventar um espaço para a criação literária e estudo das escritoras exclusivo para as meninas, o Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão, coordenado pelo Coletivo Feminino Plural em parceria com várias entidades, e a Ong Cirandar 
convidam para a Oficina Literária Expressão das Minas, realizada nos dias 9, 16 e 23 de agosto na Biblioteca Comunitária Chocolatão (Rua Mario Juarez de Oliveira, 261 – entrada pela Avenida Protásio Alves, 9.091). O Ministério da Cultura, a Secretaria Estadual da Cultura e o Coletivo Feminino Plural, através do Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão convidam

O lançamento contará com um roda de conversa com o Coletivo Oluchi de Turbantes sobre corpos e empoderamento das mulheres negras. Ministrada pela professora de Literatura, poetisa e contadora de histórias Ana dos Santos, a oficina é gratuita e exclusiva para meninas. O espaço conta com acessibilidade universal.

Mais informações e inscrições pelo email pontodeculturafeminista@gmail.com.

Sobre o Ponto de Cultura Feminista:

O Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão é um projeto coordenado pela ONG Coletivo Feminino Plural, de Porto Alegre, em parceria com outras entidades. Integra a Rede Nacional dos Pontos de Cultura e surge através do desejo de acionar o corpo, em especial o corpo das mulheres, como território de múltiplas possibilidades de expressão. Os direitos sexuais e reprodutivos são trazidos para a cena como vetores para questionar a secular tentativa de destituição da autonomia das mulheres de explorar o corpo na perspectiva de sua autodeterminação como sujeito.

Execução: Coletivo Feminino Plural e Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão

Comitê Gestor do Ponto de Cultura: corpo, arte e expressão – Coletivo Feminino Plural, Mirela Kruel, Ilê Mulher, Cirandar, Andressa Cantergiani, Carolina Pommer, Inclusivass, Rede Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos

Apoio: Fundação Luterana de Diaconia, Rede RS dos Pontos de Cultura, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Cultura Viva, Secretaria de Diversidade e Cidadania, Governo Federal